Há tempo que defendo que a esquerda brasileira mude o foco para as eleições de 2022. Em vez de dar prioridade para a presidência da república, direcionar toda a energia para o poder legislativo.

Imaginem governar o País quebrado que o milico terrivelmente incompetente vai entregar, e com minoria no Congresso Nacional. É suicídio político. O melhor a fazer é lançar novamente Fernando Haddad à presidência da república e o Lula e outras grandes estrelas do PT concorrerem a Câmara e ao Senado.

.Foto: CEDI/Câmara dos Deputados

Não pensem que quero lançar o Haddad como “boi de piranha.” Ele tem plena condição de vencer a eleição. Ele tem a vantagem de ter bem menos rejeição que o Lula.

Não vamos esquecer que o PT viveu nas eleições de 2018 o seu pior momento por conta da campanha da lava jato orquestrada pelos pilantras, Moro e Dallagnol; com o patrocínio da cobra velha da direita. Neste saco de gatos entram os banqueiros, grandes empresários, grande imprensa, poder judiciário, Centrão, pastores canalhas com a benção de deus e o sofrido povo que mais uma vez caiu na cantilena de que rico gosta de pobre.


HADDAD PRESIDENTE – 2

Vamos pegar lápis e papel que vou fazer umas contas para provar para vocês que Haddad é o nome certo para concorrer contra o milico terrivelmente imbecil nas eleições de 2022.

Prestem atenção: mesmo com o Lula preso o Haddad fez 47 milhões de votos (45%), contra 57 milhões (55%) do milico arregão. O Jair tinha o apoio de quase todos os governadores e prefeitos do País, inclusive dos tucanos, Eduardo Leite e João Dória. Foi uma campanha nacional e internacional contra a esquerda no Brasil. Hoje esses apoiadores estão pulando do barco.

Em 2018 não tinha pandemia, inflação alta, gasolina cara. A maioria do povo não sabia, ainda, que o milico era negacionista; homofóbico; racista; misógino e desequilibrado das ideias. É só somar 2 + 2 camaradas.


CULTURA NO CONGRESSO

Fico sonhando com o povo da cultura, a classe artística, os grandes intelectuais e tantas outras celebridades, concorrendo ao legislativo brasileiro, como vai fazer o ator José Abreu. Imaginem quantos milhões de votos fariam o Chico Buarque; Fernanda Montenegro; Gilberto Gil; Wagner Moura; Bruno Gagliasso e tantas outras personagens do bem. Com toda certeza teríamos maioria no Congresso Nacional.


NÃO TEM TU; VAI VOCÊ

Depois de várias tentativas e especulações, parece que a cobra velha da direita achou o seu candidato. É Sérgio Moro, “O Marreco.” Não é nenhuma Brastemp mas talvez o suficiente para tirar o milico do jogo.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, durante audiência Pública na comissão de constituição e justiça do Senado

Tem uma turminha aí que diz que o Moro não tem traquejo político; que além da voz enjoada ele só sabe falar de corrupção. Mas vocês viram que ele andou sendo treinado para o discurso na sua filiação ao partido Phodemos.

Minha vó já dizia: “coisa ruim você aprende fácil.” Se é para estudar para passar num concurso, aí é mais difícil, mas se é para enganar o povo é barbada.” É só ter Money (a Globo não vai deixar faltar) e contratar um bom marqueteiro.


RAPIDINHAS

E OS MILICOS HEIN? – Por onde andam os milicos corruptos e vagabundos. Eles estão que nem criança cagada, bem quietinhos. Falta menos de um ano para eles levarem um ponta pé na bunda.

GADO ESTREBUCHANDO – Que maravilha é ver o gado bolsonarista estrebuchar, sabendo que o mito deles não passa de um bundão fanfarrão, que ia fazer e acontecer, que ia dar golpe e agora está bem morninho e se atirou de vez nos braços do Centrão e da velha política. Onde está a nova política gado trouxa? Como o falso mito deles já sabe que vai para a cadeia com o seu kit família depois que perder a eleição e o foro privilegiado, já andou até se informando sobre tornozeleira eletrônica.

DÓRIA E MORO – Andei batendo tambor e os orixás me falaram que se o Calça Apertada vencer as prévias do PSDB ele vai fazer chapa com Moro.

MARIGHELLA – Ainda não vi, mas com certeza, assim que o filme MARIGHELLA entrar em cartaz nos cinemas da nossa região vou assistir. É uma forma de homenagear a nossa história e também um compromisso moral com o nosso pensamento político ao grande guerreiro brasileiro que foi Marighella.

Hélio Ortiz é professor, produtor cultural, e foi Secretário Municipal da Cultura e Esporte de Viamão durante os governos do PT.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.