Algumas ideias geniais e três constatações para vocês levarem para as vidas de vocês.

Há uns dois anos, aqui em Gaurama, aconteceu o FLAG, Festival Literário e Artístico. Eu recém havia chegado na cidade e pensei em colaborar de alguma forma com a cidade.

Então eu sugeri, entre as diversas atrações que teria o Festival, que uma maquete iria representar e ajudar a marcar o evento.

O pessoal da organização achou a idéia boa, mas não conheciam alguém que trabalhasse com maquete.

Como desde criança gostava de fazer trabalhos manuais, me prontifiquei a tentar fazer a maquete da Igreja e também da praça, já que as atividades culturais aconteceriam na praça e no seu entorno.

Me dei conta então, que eu nunca havia feito uma maquete na vida, mas como tinha assumido o compromisso, não podia desanimar ou desistir. Iniciei o trabalho em agosto e só terminei uma semana antes do FLAG, em novembro. Às vezes eu ia até de madrugada trabalhando. Procurei auxílio e muitas pessoas me ajudaram, dando sugestões, emprestando ou doando materiais, colaborando com o “projeto”. Mas enfim, consegui concluir o trabalho. Desde então, virei “maqueteiro”. A partir daí comecei a trabalhar com maquetes de estações de trem, igrejas e prédios antigos.

É um trabalho que gosto muito e, em si próprio, uma terapia.

A GRANDE ESPONJA DE AÇO

Há mais de 50 anos que eu lavo louça. Talvez seja praga que alguma bruxa me rogou, azar com as namoradas que tive, ou eu tenho mesmo cara de Lavador de Louça. Mas de tanto lavar louça eu aprendi algumas técnicas.

O grande segredo de lavar louça é a água quente, antes de começar a lavar, ferva uma chaleira de água.

Como o que mais quebra quando alguém lava louça são os copos, então lave os copos primeiro. Depois lave os pratos e deixe por último as panelas e talheres, tudo de forma convencional. Mas você pode praticar algumas fraudes para enganar sua companheira.

Jarra de suco de laranja é muito chato de lavar porque aqueles gominhos da laranja grudam no vidro, então, sempre que tiver suco de laranja, reserve um copo cheio e esconda na geladeira. Como nunca sobra suco de laranja, na hora em que você estiver separando a louça para lavar, despeje na jarra o copo do suco que você escondeu e guarde na geladeira.

Agora vamos à parte mais chata da louça: as malditas panelas.

Aí você tem duas opções: coloque um pouco de água na panela a diga que vai lavar depois, mas se tiver que lavar use a quinta maior invenção do homem, a ESPONJA DE AÇO.

Seguindo a ordem, primeiro é o avião, o computador, a televisão, o Viagra e a grande esponja de aço.

Pode ter coisa pior do que lavar uma panela de feijão sem esponja de aço?

Por fim, é só despejar muita água quente que a louça fica uma maravilha.

Na minha casa somos em três pessoas. Eu lavo a louça do almoço, meu filho lava a do jantar e minha esposa faz o patrulhamento.


CAFÉ SEM AÇÚCAR

Parei de tomar café com açúcar. Não só porque o açúcar faz mal para a saúde, mas por causa de uma sina que me perseguia desde a adolescência. Toda vez que eu ia adoçar o café, o açucareiro estava vazio. Aí eu tinha que levantar, pegar o pote do açúcar, que grudava no fundo, e às vezes, quando virava demais no açucareiro tinha que limpar a mesa.

Agora minha vida mudou.

Adoro ver no café da manhã os outros membros da família terem que passar pelo que passei durante décadas, encher o açucareiro. Alguns (cara de paus) quando percebem que o açucareiro está vazio, dão uma disfarçada para ver se o outro enche.


CICLOVIA NOS TRILHOS DE GAURAMA

A ideia pode parecer meio utópica mas tenho certeza de que muitos vão achar legal.

O que você acha de uma ciclovia entre Gaurama e Erechim, em cima dos trilhos do trem, já que o transporte ferroviário está desativado. A base está pronta. A minha ideia seria colocar tabletes de concreto de 1,5 metros por 0,50 cm. A largura poderia ser de 6 cm.

Os trabalhadores e estudantes poderiam ir de bicicleta para o trabalho ou escola. Nos fins de semana seria utilizada mais para lazer (caminhar ou pedalar). A proposta está lançada. Dê sua opinião ou melhore a ideia. Tudo começa com um sonho.


UMA SOMBRA DE DÚVIDA

A revista Playboy chegou a ter 400 mil leitores. Era uma famosa revista masculina que mostrava as mulheres mais lindas e cobiçadas do Brasil, literalmente nuas. Artistas famosas cobravam cachês a preço de ouro para mostrar aquelas partes do corpo que não pegavam sol.

Era lida exclusivamente por homens (o lugar preferido para a leitura era o banheiro). Era tipo o Clube do Bolinha: MENINA NÃO ENTRA. Pois na década de 90 entrou uma menina chamada Maria Rita Kehl, uma jornalista, psicanalista, poetisa entre outras qualidades.

Foi uma grande sacada da revista, pois ela começou a tocar de forma inteligente e perspicaz no ego do time masculino.

Uma vez ela escreveu um artigo que nunca esqueci, assim como muitos homens que o leram.

Ele falava sobre a sombra de dúvida que as mulheres devem deixar aos maridos sobre suas condutas. Tipo assim: o homem acha que tem o direito de ir ao estádio ver seu time jogar com os amigos, depois ir comemorar ou chorar o resultado num bar e… “quem sabe uma chegadinha nas tias”. Sugestão da Maria Kehl: quando ele for sair para o futebol com os amigos, diga que você também vai sair com as amigas para tomar um chopinho. Aí, imediatamente o diabinho verde vai aparecer e falar no ouvido dele: “pergunta que horas ela vai voltar”.

  • Que horas você vai voltar amor?
  • Não sei, vou de carona com as gurias
  • Quem são tuas amigas querida?
  • Ah, é a Marcinha Quero-quero, a Silvinha Moto Serra e a Chayene Vulcão.

Neste dia ele não vai ver o jogo direito e vai voltar cedo prá casa.

PS: O diálogo entre o casal fui eu que inventei, mas é mais ou menos a ideia que a Maria Rita quis passar, A SOMBRA DA DÚVIDA.

Hélio Ortiz é professor, produtor cultural, e foi Secretário Municipal da Cultura e Esporte de Viamão durante os governos do PT.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.