Pastores evangélicos adoram a figura da ovelha. Especialmente pastores de igrejas estritas, daquelas estilo “seita”. Quanto mais fechada e restritiva for a doutrina de uma congregação, mais se usa a figura da ovelha como exemplo para o bom cristão. 

A associação com o animal começa cedo. Crianças desenham ovelhinhas. É um amor.

Dizem, estes eloquentes senhores, que a ovelha foi CRIADA POR DEUS para servir de metáfora, de ilustração e de exemplo para os bons crentes.

Concordo.

Concordo plenamente.

A ovelha, dizem eles, é um animal indefeso, que praticamente só olha para o chão e que depende completamente do seu pastor para achar alimento e não ser morta por predadores.

Uma alegoria perfeita para o bom cristão, que não desvia o olhar para filosofias e ideias heréticas. Que coloca-se na dependência da igreja para alimentar a alma e a mente, e dela depende para não cair nas garras do Cramunhão, do Coisa-Ruim, do Pé-de-Bode.

Metáfora perfeita.

Me cabe, portanto, adicionar algumas informações a ela.

As ovelhas – assim como os humanos – NÃO são animais naturalmente dóceis e incapazes de se virar por conta própria. Ovelhas selvagens são bichos independentes. Elas guiam-se sozinhas, e rejeitam o cabresto imposto por espertalhões interessados em aprisioná-las. 

São criaturas famosas pela tendência a derrubar, na base da cabeçada, quem quer que tente se aproveitar delas.

Se Deus as criou para servir de exemplo para nós, o fez com uma certa ironia.

Afinal, o próprio fato de termos ovelhas dóceis em fazendas é evidência a favor de duas teorias detestada por certos “ungidos do Senhor” – a saber, a da Seleção Natural e da Evolução das Espécies. 

Quando o homem começou a domesticar as ovelhas, há milhares de anos, o fez promovendo a reprodução dos indivíduos mais dóceis disponíveis. Com isso, ao longo de alguns séculos, foi se desenvolvendo a espécie que nos serve como exemplo de docilidade.

E esses bichos – assim como os humanos – precisam ser criados sempre no cabresto. Se não for assim, eles podem acabar desenvolvendo um comportamento mais indomado. E ninguém quer que isso aconteça, não é mesmo?

Como eu já dizia, existem espécies selvagens de ovelhas. E são animais bem interessantes. Sobrevivem em ambientes de terreno irregular. Aventuram-se. Sobem montanhas e veem o mundo de uma forma que suas primas domesticadas jamais verão.

Mais uma vez, uma definição que se aplica também a humanos.

Hoje existem ovelhas de estimação, e há quem as crie por genuíno amor. Mas a maior parte dos pastores as cria, mesmo, para tosquiá-las. Deixá-las peladinhas e encher os próprios bolsos. E a maior parte das ovelhas de fazenda acaba, no final, virando churrasco. Essa é a verdade.

Essa foi a palavra de hoje. A paz, ermãos.

Jornalista, assessor de imprensa, colunista de uma penca de jornais ao longo dos anos. Atualmente, trabalha para o Governo Federal. É um Ativista dos Direitos dos Homens e um racionalista pragmático. Autor de "Política para Iniciantes" e de outros livros. Site: www.fabiosalvador.com.br

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.